2022-04-09 Por Terras da Nóbrega - Trilho de Sampriz

O desafio para fazer este percurso surgiu em Março último, durante o Trilho da Teixugueira, pois ao apreciar as vistas para norte, sobre o vale do rio Vade, o Castelo de Aboim destacava-se na paisagem. Ficou então assente o regresso às Terras da Nóbrega com visita ao seu ponto mais elevado – o Castelo de Aboim.

A nossa última visita ao castelo foi já em 2007, pelo que era tempo de voltar a fazer o Trilho de Sampriz, trilho com alguma dificuldade, já que vence um desnível apreciável de mais de 450m e que tem como pontos de maior destaque os densos carvalhais da Granja do Velho e as amplas vistas do cimo do Castelo de Aboim.

Iniciamos o percurso junto da sede da junta de freguesia de Sampriz, pequena freguesia do concelho de Ponte da Barca, e iniciamos uma prolongada subida por densos carvalhais e velhas calçadas na direção do lugar de Ventozelo ou Ventuzelo ou Ventoselo, onde fizemos uma pequena pausa na capela de Nossa Senhora do Livramento, aproveitando as vistas para Ponte da Barca e as muitas povoações perdidas na distância.

Depois do abastecimento continuamos a subida, cada vez mais acentuada para o Castelo de Aboim, que fica no limite das freguesias de Sampriz do concelho de Ponte da Barca e da freguesia de Aboim, agora incluída na União das Freguesias de Aboim da Nóbrega e Gondomar do concelho de Vila Verde.

Estas freguesias têm mantido uma acesa disputa sobre os limites onde se situam as ruínas do antigo Castelo da Nóbrega, pois os de Aboim acusam o município da Barca de “remover” o marco existente que separava as freguesias e concelhos.

Segundo eles a fronteira fica a meio do castelo , ficando metade do lado de Ponte da Barca e a outra metade no concelho de Vila Verde, acusando os vizinhos de Sampriz de lhes querer “roubar” o castelo.

Mas do tão reclamado Castelo da Aboim da Nóbrega pouco ou nada resta. A sua construção remonta ao terceiro quartel do século XII, tendo desempenhado um importante papel no início da nacionalidade, havendo apenas vestígios de uma cerca subcircular, que envolveria uma torre-fortim central implantada no topo do impressionante maciço granítico.

Depois de apreciar a paisagem 360º iniciamos a descida contornando o alto da Franqueira e passamos junto ao Marco do Couto das Galinheiras, que teria identificado uma antiga divisão de propriedade. Muito perto, do outro lado do caminho, a nascente do ribeiro de Casal, que aquí inicia a sua tímida marcha para Vila Nova de Muía onde serve de afluente ao rio Lima.

Continuamos a descida e entramos no denso carvalhal da Granja do Velho, onde fizemos a pausa para o almoço logo após cruzar o ribeiro de Casal. Depois da refeição aconteceu o batismo da jovem Inês, tendo sido apadrinhada pelo tio Jorge Mota bem coadjuvado pela madrinha Aurora.

Retomada a descida pela Costa da Portela, quando já ninguém esperava, tivemos que vencer uma última acentuada subida, bastante indigesta por sinal, antes de finalmente descer para Sampriz, passando junto da Casa da Portela de Sampriz, casa senhorial de raiz quinhentista, aninhada na encosta do Monte de Santa Rita, agora recuperada e vocacionada para o agroturismo.

Finalmente após uma breve visita à igreja matriz de Sampriz, regressamos por Cardielos onde o fim de festa foi no Chameau, com umas tapas, um branco bem fresco (para alguns até houve sopa e sobremesa...)  celebramos mais um dia nas Terras da Nóbrega.

José Almeida
Vianatrilhos

Castelo de Aboim

O monte designado de "Castelo de Aboim" situa-se cerca de 700 metros para Sudeste da pequena aldeia de Ventozelo.

O acesso faz-se por um estradão de terra batida mal conservado a partir da aldeia de Ventozelo, onde se chega pela estrada municipal que, de Ponte da Barca, faz ligação às freguesias de Sampriz e Azias.

A margem esquerda do rio Lima, na parte que hoje corresponde, grosso modo, ao atual concelho de Ponte da Barca, integrou desde os tempos medievos uma vasta circunscrição territorial-administrativa religiosa de nível intermédio, documentada já desde finais do século XI e em meados do século XII - como terra de Vanati no censual do tempo do bispo D. Pedro e como arcediagado de Vanadi na divisão feita em 1145 entre o bispo D. João Peculiar e o Cabido bracarenses, respetivamente.

Equivalente circunscrição ao nível da administração civil só se documenta a partir das "Inquirições" de 1220, onde é nomeada Terra da Nóbrega, designação que vai prevalecer a partir de então servindo tanto a administração eclesiástica como a civil. Esta unidade administrativo-territorial tem como referente tutelar o castelo da Nóbrega, fixando uma realidade que podemos recuar até meados do século XI, no qual se localizam inúmeras propriedades ad radice  castro Annofrice.

O castelo da Nóbrega terá sido construído por Honorigo Honorigues no terceiro quartel do século XII, que por isso recebeu algumas herdades do rei Afonso Henriques, conforme testemunharam os jurados da inquirição da freguesia de S. Martinho de Paço Vedro em 1220.

Fortificação "cabeça de terra" e residência senhorial, o castelo da Nóbrega respondia bem às preocupações estratégicas da época em que foi fundado, mas acabou por ser superado a partir do século XIV, no seu papel militar, pelo castelo fronteiriço do Lindoso. Pelo menos a partir do século XV também se diluiu a sua importância administrativa civil, progressivamente substituída pela da vila da Barca. Em 1527 estava ermo, não se documentando ocupação posterior.

O castelo foi construído no topo de um imponente maciço granítico que se eleva na margem esquerda do rio Lima, a mais de 750 metros de altitude, de onde se desfruta de uma ampla e bela panorâmica sobre os vales dos rios Lima e Homem. Aí, sobrepondo-se às ruínas de um antigo, conservam-se vestígios de uma cerca de planta subcircular, que envolveria uma torre-fortim central implantada no topo das massas rochosas e da qual apenas se identificam os rasgos correspondentes ao alicerçamento.

Pelas características construtivas e planimétricas trata-se de uma fortificação que cumpre os padrões da arquitetura militar medieval de tipologia românica. 

geira.pt/

Dados do percurso

Informação sobre os aspetos mais significativos:

Data2022-04-09
Hora de início09:04
Hora do fim14:41
Tempo total do percurso5h 36m
Velocidade média deslocação2,8 km/h
Distância total linear11,8 km
Distância total12,0 km
Nº de participantes23

Esta atividade está no

99616347
Trilho de Sampriz