2011-10-29 Trilho de Vilela das Lages

Dando continuidade ao programa de “caminhadas”, desta vez o local escolhido para mais uma actividade do “Viana Trilhos” foi o percurso do “Trilho do Mezio – Ribeira de Vilela”, localizado nas faldas da serra do Soajo e que nos levou a visitar duas típicas aldeias de montanha do Vale do Lima – Vilela de Lages e Boimo, ambas pertencentes à freguesia de Cabana Maior, do concelho de Arcos de Valdevez.

O ponto de partida foi o lugar de Portela do Mezio, uma das cinco portas de entrada do PNPG e cujo tema forte é a “Conservação da Natureza”.

Eram cerca das 09H25 quando o grupo composto por 28 caminheiros iniciou esta actividade bem junto do Núcleo Megalítico aí existente, que faz parte de um vasto conjunto de monumentos funerários pré-históricos comportando cerca de 100 rochas gravadas construídas há cerca de 5000 anos e que são um dos mais importantes complexos de arte rupestre pré-histórico do Noroeste Peninsular, tendo o seu expoente máximo talvez no anfiteatro do Gião.

Seguimos para norte ao longo da estrada alcatroada que se abre entre o bosque misto de vidoeiros, pinheiros bravos, pinheiros silvestres e “cedros” de Oregão.

Um pouco antes de chegarmos á bifurcação que nos levaria ao parque de campismo da Travanca, viramos à esquerda e seguimos ao largo de um caminho delimitado por marcos graníticos através de um planalto coberto de vegetação rasteira, formada por urzes e tojos. Uma pequena elevação foi oportunidade para estendermos a vista pelo vale da Ribeira de Vilela e também para retempero de energias. Logo iniciamos uma descida através de um carreteiro que nos conduziu ao mítico lugar de Vilela de Lages, onde se pode contactar com locais.

Continuamos a descer, passando por um grupo de gente mais radical, que se preparava para fazer “canyoning” na mesma ribeira. Logo depois subimos pela margem esquerda da ribeira através de um denso bosque de carvalhos, sob um caminho ladeado por muros de pedras guarnecidas de musgos verdes.

A passagem para a margem contrária da ribeira já bem perto do lugar de Bostelinhos, também pertencente a Cabana Maior foi motivo de boa disposição na tentativa de transposição da mesma, e em que cuidados mais apurados houve que exercitar para evitar quedas na cristalina água, e onde foi oportuna a colaboração na transposição do obstáculo, das companheiras Isabel e Irene.

Agora o caminho ia descendo por entre socalcos de parcelas de campos outrora trabalhados, mas que actualmente sofrem do grande mal da desertificação das aldeias interiores, deste pais tão mal tratado.

A transposição novamente da mesma ribeira, em local de grande beleza, foi aproveitado para a foto de grupo, e iniciamos a subida que nos levou a uma “varanda” sobre o vale, local em que aquecidos pelo astro-rei se fez o retemperar de energias.

Muito a custo, pois bem instalados estávamos, continuamos subindo até chegar novamente ao lugar de Vilela onde mais uma vez houve oportunidade para contactar com os naturais deste rústico e bucólico lugar.

Seguimos depois por caminhos entre muros de pedra solta entre o bosque de carvalhos, atingindo o lugar de Boimo, atravessando-o, e continuando caminhando sempre sob o belo carvalhal.

Mas como o a partir daqui o restante percurso seria feito através de estrada alcatroada, houve a ideia para um improviso mais radical, a corta mato, que elevou a adrenalina, sendo necessário tirar um “azimute” para orientação do caminho, e agora sob um bosque de vidoeiros atingirmos um local bem perto do inicio deste percurso.

Como a hora ainda nos dava margem para algo mais e como grande parte dos presentes não conheciam o “trilho Interpretativo do Mezio”, após a despedida de alguns dos companheiros, fomos então percorrer este bonito trajecto de vegetação magnífica que nos levou a passar pela “branda de Mosqueiros”, terminando junto à Porta do Parque, local em que havíamos começado este percurso.

Já no regresso a casa ainda houve oportunidade de parar no já conhecido 27 em Ponte de Lima, onde foram feitas as últimas despedidas.

Até ao próximo dia 12 de Novembro, onde na Área de Paisagem Protegida do Corno do Bico em Paredes de Coura, iremos realizar a Marcha de S. Martinho.

Miguel Moreira

Vianatrilhos

Dados do percurso

Informação sobre os aspetos mais significativos:

Data2011-10-29
Tempo de deslocação04h 59m
Tempo parado03h 04m
Deslocação média 2,7 Km/h
Média Geral1,7 Km/h
Distância total linear13.6 km
Nº de participantes28