2022-11-27 Pela Rota das Faias

Depois do jantar em Manteigas, após confirmar a informação do Abreu que a camioneta conseguia aceder ao local e dar a volta, decidimos iniciar o percurso da PR13 MTG Rota das Faias na Cruz das Jugadas.

Às 08:30, depois do pequeno-almoço, rumamos ao início do percurso, tomando a EN 232 que segue para as Penhas Douradas, saindo no cruzamento para o Covão da Ponte e seguindo até encontrar a placa “PR13 – Rota das Faias”.

Iniciamos o percurso pouco depois das 09:00 e subimos até à minúscula capela de S. Lourenço, rodeada de carvalhos seculares, que merece ser posta em destaque pelo panorama que dela se desfruta. Conta a tradição que a capela original se situava noutro local, mas que um dia a imagem de São Lourenço de lá desapareceu e foi encontrada no local onde é hoje venerado. Reza a lenda que neste local se praticavam cultos pagãos, ligados à adoração das árvores e do sol.

Este troço inicial está hoje muito maltratado por um incêndio recente, que varreu quase toda a vegetação existente, e é agora apenas o negrume que domina a encosta até à proximidade da Ponte de S. Lourenço.

Depois de apreciar a paisagem e da foto de grupo percorremos a crista da serra na direção do Marco Geodésico e Posto de Vigia de S. Lourenço, onde se consegue ter uma vista extraordinária para Manteigas, para toda a todo o maciço da Serra da Estrela e o Vale Glaciar do Zêzere.

Iniciamos depois a descida para a Mata de S. Lourenço, que também sofreu bastante com incêndio recente, mas que está ainda maioritariamente intacta, com uma beleza verdadeiramente extraordinária nesta época do ano.

Esta densa floresta de faias, pinheiros-do-oregon e carvalhos, plantados já no século XX pelos Serviços Florestais de Manteigas, mais parece um bosque encantado e é digna de contemplação pelo encanto único das suas cores douradas e castanhas de outono.

Depois de mais umas fotos continuamos a forte descida pelo interior da mata de S. Lourenço até à ribeira do Pandil, onde encurtamos o percurso PR-13 Rota das Faias para descer o vale na direção da Granja.

Inicialmente tínhamos previsto fazer todo o percurso circular, subindo o vale e regressando à Cruz da Jugadas, mas depois de ponderar o tempo disponível e o andamento do grupo, decidimos alterar o percurso, descendo o frondoso vale e terminando mais abaixo, num acesso bem agreste à EN 232, onde marcamos encontro com o nosso transporte. Os mais capazes que nos perdoem esta alteração ao programa, mas quem gere o grupo tem que estar atento às dificuldades que os participantes evidenciam, e havia gente já muito cansada com o acumular dos dois dias de caminhada.

Aí reencontramos as companheiras que ficaram a repousar em Manteigas, e depois de uma breve paragem, rumamos pelas Penhas Douradas para Sabugueiro, onde estava marcado o tão esperado almoço no restaurante Mirante da Estrela.

O fim antecipado da caminhada revelou-se providencial, pois pouco depois de arrancar o sol que até aí nos fez sempre companhia desapareceu, chegando as nuvens baixas de chuva, que nos fizeram companhia até Sabugueiro, impedindo a visita prevista às Penhas Douradas e à nascente do Mondeguinho.

Chegados a Sabugueiro, depois de uma prévia pausa para compras de produtos regionais, fomos finalmente para o restaurante com a barriga a dar horas, mas valeu a pena a espera. Depois de umas entradas regionais de queijos e enchidos, pudemos apreciar os pratos típicos de bacalhau com broa, arroz de carqueja e a chanfana.

Com tanta variedade disponível havia que provar um pouco de tudo. Foi um sacrifício fazer face a tanta coisa boa, mas conseguimos dar conta do recado, pois estava tudo bem confecionado e apaladado, merecendo quanto a mim destaque o arroz de carqueja.

Depois de tudo comido e bem regado chegou a hora do regresso à procedência, numa tarde chuvosa e fria, bem refeitos de um fim-de-semana em que o S. Pedro foi nosso amigo e nos ajudou a superar as dificuldades da serra.

Uma palavra muito especial aos companheiros Pimenta e Miguel, que foram (mais uma vez) impecáveis na logística do evento.

José Almeida
Vianatrilhos

Dados do percurso

Informação sobre os aspetos mais significativos:

Data2022-11-27
Hora de início09:09
Hora do fim11:57
Tempo total do percurso2h 48m
Velocidade média deslocação2,75 km/h
Distância total linear5,7 km
Distância total5,9 km
Nº de participantes37

Esta atividade está no

120161696
Pela Rota das Faias