2017-05-17 Dia das Letras Galegas

S. Francisco do Monte - S. Mamede - canos de água do Fincão

 

“Vianatrilhos. Cinco estrelas!!”

Este poderia ser o resumo da impressão causada aos  vizinhos galegos dos “Calcorreiros” que no passado dia 17 resolveram comemorar o Dia das Letras Galegas em Viando Castelo.

Passavam poucos minutos das 9 horas quando o grupo de cerca de 30 galegas e galegos bem dispostos desembarcaram na estação dos caminhos de ferro. Um pequeno grupo do Vianatrilhos (e não foi maior por se tratar de um dia a meio da semana) aguardava aqueles companheiros.

Após uma pequena recepção de boas vindas o grupo (galegos e vianenses) guiado pela viva e alegre companheira galega Helena que, durante o dia se revelou ser uma excelente organizadora e com a lição muito bem estudada dirigiu-se para a estrada de Santa Luzia que percorreu durante escassos metros para logo, junto da Capela de Santo André, derivar para o interior da mata, passar pelo depósito de água ali existente e seguir por belos trilhos até ao que resta do Convento de S. Francisco do Monte. Depois de visitadas as ruínas do Convento verificou-se a primeira manifestação alusiva ao dia das Letras Galegas, com a leitura de extractos de textos de vários autores de língua galega. Aqui, a propósito de um cantiga que abordava a vida galega, excelentemente cantada pelo saudoso Adriano Correia de Oliveira, o nosso companheiro Rego deliciou-nos  com a sua interpretação à “capella”.

Daqui seguimos por entre arvoredo denso até ao Templo de Santa Luzia, onde se fez uma segunda  leitura de textos. Muito a propósito formou-se um dueto galaico-minhoto, constituído pelo Rego e uma companheira galega de quem não sei o nome para interpretar um cantiga do inesquecível Zeca Afonso, muito conhecido e apreciado em terras da  Galiza.

Seguimos depois por lindos caminhos para S. Mamede, onde se fez uma pausa para uma pequena refeição. Aqui aguardavam-nos o Miguel, que não fez o percurso por estar lesionado, o Ernesto Videira, o Ernesto Paço e o Lopes, da Areosa.

Antes da refeição os amigos galegos foram surpreendidos com uma prova de mel com broa, com o acompanhamento de um excelente verde branco, bem fresquinho.

Feita a refeição seguiram-se novas leituras a que os vianenses se associaram com a leitura de um texto  de que o Miguel em boa hora se tinha munido, leitura essa feita por vários companheiros.

Antes de retomarmos o caminho o amigo Lopes a todos nos deliciou com a sua arte de tocar concertina e cantar algumas cantigas. A demonstrar a sua conhecida amizade pela Galiza não se esqueceu de cantar em galego, o que muito sensibilizou os amigos dos “Calcorreiros”.

Seguimos então  para a cidade descendo pelos canos de água, obra muita admirada e elogiada pelo galegos. Apenas mais uma paragem sob os arcos Fincão para novas leituras.

Para nós do Viana Trilhos foi um dia diferente mas muito agradável. Para os galegos, a avaliar pelos comentários colocado na net, foi ainda mais agradável e inesquecível.

Para terminar deixo aqui a transcrição de um comentário de um participante galego na página do grupo.

“Me gostaria agradecer especialmente la confraternidad, amabilidad y generosidade de nuestros compatriotas de Viana, fué emocionante ver como nos recibieron a la hora del bocata com pan con miel, vino, café e hasta chupitos… todo amenizado com música. Impressionante!!!!

Muchas gracias”

 

Armando Branco

Vianatrilhos

 

Para os interessados informa-se o acesso à página da Taberna:
http://www.geocities. ws/calcorreiros

POLA TERRA DA FRATERNIDADE,

NO DÍA DAS LETRAS GALEGAS DE 2017.

A camiñata que se fai en Calcorreiros con motivo do Día das Letras Galegas é unha das máis singulares de cada ano; os pasos van máis de vagar e durante a xornada hai máis pausas das habituais para que se fagan as lecturas en galego sobre o que se lle ocurra a cada quen. Non sei como é pero os puntos de parada-lectura sempre resultan ser ben fermosos.

Desta volta o día das letra foise celebrar á “terra da fraternidade”; Viana do Castelo, convento de San Francisco, Santa Lucía (castro, basílica e miradoiro), San Mamede, Areosa e Viana de novo. O día resultou espléndido dende o comezo; os coches quedaron en Valença do Minho e o grupo calcorreiro viaxou en tren até Viana, onde esperaban os membros de “Vianatrilhos” que serían os nosos guías locais, e moito máis, durante a estadía polas terras do Lima.

A pedra sempre estivo presente na ruta, como ben corresponde a todo o Noroeste penínsular (fascinante “doma” e aproveitamento do granito polas civilizacións antepasadas), neste caso: os camiños amplamente empedrados, a enxeñería popular das conducións a través dos canos de auga (peculiar sistema de “levadas” que chegaban a Viana dende os mananciais), o mosteiro arruinado de San Francisco, a citania do castro de Santa Lucía, o santuario do alto do monte no que traballou o mestre canteiro Emidio Pereira Lima, os cruceiros, as pontes, os valados, as vivendas,…

Os lugares das leituras foran coma decorados escollidos para resaltar os textos aínda máis. O cruceiro de convento de San Francisco, a esplanada de igrexa de Santa Lucía coas súas imponentes panorámicas, a carballeira de San Mamede e os acueductos dos canos das augas de Arcos de Finçao, foron os testigos sorprendidos e maravillados coas palabras de autores galegos, clásicos e modernos (Castelao, Otero Pedrayo, Carlos Casares xunto con outros moitos) que nese día se encontraron coa lingua portuguesa de Pessoa ou Zeca Afonso (o camiño que tomou a lingua galega no alén Miño). E as palabras contaron tradicións populares, algunha vixentes ata hai poucas décadas como as “botaduras” das lanchas e bateis de Viana, ou outras que aínda perviven como os maios de Vigo. E tamen lecturas feitas no sitio polos seus propios autores calcorreiros, algún por poderes.

O día correu ben, a guía-organizadora teceu con moito éxito a ruta, a xornada e a climatoloxía; pero o seu punto sobresaínte foi dar cos protagonistas do agasallo da fraternidade que nos ofreceron os irmáns portugueses. Non só foron as súas explicacións, o acompañamento durante todo o día, senon tamén a capacidade de sorprendernos co especial convívio na carballeira de San Mamede; alí achegáranse máis amigos de “Vianatrilhos” co pan de broa, o mel da freguesía, o viño e ata o café; ben disposto como Dios manda con manteliño de ganchillo cubrindo a mesa de granito. Promoveron as lecturas partilladas, correndo os papeis de man e man, e chegaron con Lopes d´Areosa que foi un animador do encontro, cos seus saberes, a súa vitalidade e a súa paixón polo común que nos une.

E as letras galegas continuaron acompañadas coa música da concertina do Lopes e os seus cantares falaban de irmandade; dedicou palabras á musicoloxía galaico-portuguesa, ás semellanzas e ás diferenzas da terra verde, habitada polas xentes que vivimos ás beiras do Minho, e falounos da historia, e lembrounos que os mouros foran expulsados de Lisboa en galego, porque era o idioma de Don Henriques, o primeiro rei de Portugal, e a lingua portuguesa foi chegando despois, a modiño.

Lembranzas emocionadas da acollida de onte polos membros de “Vianatrilhos”, con esa forma de agasallar, de apoiar, de facilitar… que fai que Portugal, Viana e o Minho sexan a “terra da fraternidade”. O día das letras galegas, foi un camiño de pasos comúns das xentes de acó e de acolá.

 

Obrigados por todo.

Ignacio Oliveira. Maio do 2017.

 

 

Dados do percurso

Informação sobre os aspetos mais significativos:

Data 2017-05-17
Hora de início 09:20
Hora do fim 18:22
Tempo total do percurso 9h 02m
Velocidade média de deslocação 3.25 km/h
Distância total linear 17.81 km
Distância total 17.96 km
Nº de participantes 30