2001-03-31 Marcha de Santa Luzia - Fim de Semana Alentejano

 

Manhã bem cedo, será com certeza reconfortante ter o privilégio de poder admirar toda a beleza da vista que se desfruta sobre a cidade e o estuário do rio Lima no término da sua viagem até ao mar.

Iniciaremos assim este nosso percurso, contornando a citânia de Stª Luzia – Cidade Velha e após algum tempo em descanso chegaremos até junto dos "Arcos do Fincão", antigos canos de água em granito, verdadeiro legado de outras gerações, que continuam a fornecer a água para a cidade.

Caminhando sobre eles chegaremos até bem perto do lugar de S. Mamede, pequeno aglomerado de casas, em que junto, entre densa vegetação e em local de grande sossego, poderemos ver as ruínas da "Aldeia Velha" e sua capela, local cheio de história para os residentes.

Sempre subindo, parando por vezes para estendermos a nossa vista, passaremos pela "Chá da Pica" e após breve subida chegaremos ao que resta da casa florestal do "Viveiro da fonte da Louçã", local em que nasce o " ribeiro do Pêgo".

Lá mais à frente avista-se o marco geodésico da Serra de Sta. Luzia. Aqui junto à casa florestal faremos o reabastecimento, após o que iniciaremos novamente esta marcha, levando-nos a passar no "Miradouro das Bandeiras" recanto de rara beleza, e onde a vista se perde na imensidão do oceano no contraste com o verde dos campos, separados pelo branco da areia das praias. A partir daqui e um pouco mais abaixo, vamos descer ao longo de uma velha calçada, em que os carros de bois vincaram a época de anteriores gerações, finda a qual e após breve caminhar, atingiremos a freguesia de Carreço, local de término deste percurso junto ao edifício da Sociedade.

Como nota final esperamos que este tenha sido do agrado de todos, e que possa ter contribuído para uma jornada de convívio, neste recanto do Minho à beira mar plantado.

 

José Almeida

Amigos da Chão

 
Anterior